Museu do Ar

Situado em Pêro Pinheiro, perto de Sintra, o Museu do Ar foi transferido de Alverca para este local em 2009.
Folgen Sie uns

A ideia da criação de um museu da Aviação Portuguesa remonta a 1909, ano do primeiro voo em Portugal. Por iniciativa de ilustres pioneiros da Aviação Portuguesa, Gago Coutinho, Carlos Beja, Pinheiro Correia, Carlos Bleck e o Coronel Ribeiro de Almeida, o projecto foi ganhando corpo, até que em 1963, o general França Borges, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, por insistência de Pinheiro Correia, cedeu uma sala do palácio dos Pimentas, destinado ao museu da cidade, para a exposição de um acervo que mostrava a importância portuguesa na história aeronáutica. Estava lançada uma dinâmica que transformaria finalmente o sonho em realidade, o que viria a acontecer com a publicação do Decreto-Lei nº 48248, de 21 de fevereiro de 1968. Um ano apenas se seguiria até que se reunisse em Alverca num espaço providenciado pelo brigadeiro Fernando de Oliveira, uma coleção digna de um Museu do Ar Português recolhida pelo Grupo dos Amigos do Museu do Ar – criado em simultâneo com o Museu - sob iniciativa do coronel Edgar Cardoso. No dia 1 de Julho de 1969, Dia da Força Aérea Portuguesa, o Museu do Ar era oficialmente inaugurado pelo Presidente da República, abrindo ao público em geral dois anos depois, a 1 de Julho de 1971, estando presentes nessa data o Secretário de Estado da Aeronáutica, Brigadeiro Pereira do Nascimento e o Chefe de Estado-Maior da Força Aérea, general Tello Polleri, acompanhados pelo Director do Museu, o primeiro do seu historial, coronel Edgar Cardoso. 

O Museu do Ar tem um acervo valioso, composto por mais de 10.000 peças, repartido por três locais visitáveis: Granja do Marquês, Sintra (junto da Base Aérea nº 1), Alverca (Largo dos Pioneiros da Aviação) e Ovar (no Aeródromo de Manobra nº 1). O Museu do Ar requalificou em 2012 as suas instalações na Granja do Marquês, incorporando dois valiosos acervos provenientes da TAP e da ANA Aeroportos de Portugal alargando o seu olhar ao mundo da Aviação Civil.

A exposição permanente integra aeronaves, motores,hélices, equipamentos de voo e de navegação, painéis de instrumentos, simuladores, fardamentos,
troféus aeronáuticos e vários objectos dos Pioneiros da Aviação Portuguesa. O Museu apresenta também acervos da TAP e da ANA.

O acervo é constituído por uma valiosa coleção de aviões históricos com destaque para o Junker JU52 (1930), o Avro Cadet (1931), o DH-87 Hornet (1934), o DH-89 Dragon Rapide (1934), o Spitfire (1934), o DC-3 Dakota (1935), o F-86 Sabre (1947). A Aviação Civil e Desportiva está representada numa aérea onde a interatividade é o principal objetivo. O testemunho histórico das Campanhas da Aviação Militar em África é apresentado em mapas e painéis fotográficos e na exposição dos meios aéreos mais utilizados nessas Campanhas. A Sala dos Pioneiros leva-nos ao início da Aviação em Portugal.

Estão em exposição o avião Dassault Falcon 20 - usado inicialmente no transporte de membros do Governo e, mais tarde, em voos de calibração de equipamentos eletrónicos de apoio à navegação aérea -, o Lockheed T-33 e o Northrop T-38 Talon - utilizados no treino avançado para aviões de caça e marcando duas épocas significativas da modernização da Força Aérea Portuguesa. 

No museu, destacam-se os voos mais importantes feitos por Sacadura Cabral, Gago Coutinho, Sarmento de Beires, Brito Pais, Humberto da Cruz e Carlos Bleck. Nos voos ao Brasil foram usados sistemas de navegação rigorosos, precisos e inovadores para a época que podem ser apreciados neste Museu.

 Pólos Visitáveis
Alverca
Ovar